JUBILEU – UMA ESPÉCIE DE EVANGELHO

“… o propósito do Jubileu primitivo seria a união de todo povo de Deus pelos laços da fraternidade…”

Pr. Elielberth Falcão
Pr. Elielberth Falcão

            Depois dos sete anos sabáticos era realizado o “ano do Jubileu”. Pelo som de trombetas o ano qüinquagésimo era anunciado (Lv. 25, 8- 11). Este momento do jubileu era interessante porque os servos, isto é, os escravos, tinham condições de direitos, podiam obter até mesmo a liberdade (Lv. 25, 39 -46). Jubileu era uma espécie de “Evangelho” para muitos naquele contexto. As terras que eram hipotecadas eram libertas sem ônus, as terras do País, assim como casas vendidas nos últimos cinqüenta anos precedentes, eram devolvidas para os antigos donos, esta é a razão pela qual, comparamos o Jubileu como uma espécie de Evangelho (Is. 61. 2; Lc. 4. 19). Na verdade, segundo pesquisas minuciosas que fizemos, o propósito do Jubileu primitivo seria a união de todo povo de Deus pelos laços da fraternidade, separá-lo de todo contexto pagão, além de estimular a memória de todo israelita os benefícios de Deus relacionados ao povo escolhido.

É importante salientar que umas das prioridades do Jubileu era deixar-se exalar a santidade do Senhor, outros pontos de destaque era que o peso dos pobres era significativamente aliviado, opressões, cobiças eram reprimidas pelas autoridades constituídas. Todo israelita tinha o direito de recuperar suas terras perdidas, as terras e casas das cidades muradas eram sujeitas as leis do jubileu.

Nós que vivemos no presente contexto, poderíamos usar o ano do Jubileu para recuperar tudo o que perdemos, reparar os prejuízos, abraçar uns aos outros e consequentemente, buscar uma nova forma de ensinar restauração num discurso mais condizente com o projeto que se apresenta nestes 50 anos de existência. Talvez, uma aproximação de todos os grupos existentes na Obra seria uma forma de dar significado ao estado primitivo de que tanto falamos, um povo humilde, forte, simples, consolidado e, sobretudo, santificado para toda boa obra.

Toda união espiritual é sempre bem vista pelo Espírito de Deus, mesmo que esta unidade seja realizada de forma indireta, mesmo que tenhamos usos e costumes diferenciado, mesmo que a forma de interpretar seja distinta, se nos aproximarmos sem reservas, o Espírito de Deus encontrará espaços e tudo voltaria a ser como antes. Um só povo, um só espírito, um só rebanho…

No ano do jubileu, buscamos tomar posse de tudo que perdemos.

Pr. Elielberth Falcão

Um comentário em “JUBILEU – UMA ESPÉCIE DE EVANGELHO

  • junho 30, 2012 a 10:55 am
    Permalink

    A Paz de Cristo – estou edificado por essa mensagem de Deus para o que estamos vivendo na obra da restauração.
    Que Deus continue te usando.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*