Tudo aquilo que defendemos desde o principio, está em pleno vigor em nosso meio

O PRESIDENTE DA APOIORT FALA SOBRE DIVÓRCIO E OS PRINCÍPIOS DOUTRINÁRIOS DA OBRA DE RESTAURAÇÃO.

Pastor Eliélberth Falcão
Pastor Eliélberth Falcão

A APOIORT jamais aceitou, ou fez apologia para a permissão do divórcio como uma legalização para o novo casamento e muito menos abriu as portas para romper com seus princípios de doutrinas. Nossas ordenanças bíblicas apostólicas são causas pétreas.

Alguns  pelo fracasso de uma administração patentemente falida procuram por todos os meios possíveis associar o crescimento da APOIORT ao fato de que estamos rompendo com os limites antigos permitindo a libertinagem, por isso estamos crescendo, é o que dizem. A história e os fatos nos provam que os fracassados procuram justificar seus tropeços e improdutividades direcionando acusações infundadas a um suposto concorrente com o objetivo de não perder adeptos e de não assumir falência, isso é um fato, os fariseus eram mestres nisso! Eram zelosos, separados, cultos, observadores das leis, contudo, foram reprovados pelo mestre.

RESTAURAÇÃO DE FATO

A proposta da APOIORT difere no fato de deixar que a expressão “RESTAURAÇÃO” venha fazer sentido pelo menos uma vez na história, pois se a proposta é restaurar, porque tantas rejeições quando se tem que oferecer uma restauração dos princípios primitivos?!

SERES PENSANTES

Na APOIORT, oferecemos a oportunidade para as pessoas pensarem, participarem… Aqui, as pessoas não são dominadas, usamos a influencia e não o domínio por meio de lavagens cerebral descarada. Temos uma interpretação real do que é unidade e uniformidade, cremos que Deus é soberano e que a Graça que dEle emana, é multiforme.

SEM ROTEIROS

Na  APOIORT, não distribuímos “roteiros”, pois não buscamos formação religiosa, mas uma restauração primeiramente de vida, depois então da parte que se vê.

Tudo aquilo que defendíamos no principio, está em pleno vigor em nosso meio, digo no que se refere a questões de Divórcio, Vestes, ordenanças, televisão e alguns outros pontos que julgamos importante, a diferença é que aqui não somos hipócritas, não escondemos nossos problemas, nossos erros, nossas fraquezas estão expostas, todos vêem, pois nosso objetivo, é corrigir e não expressar um zelo aparente, que se manifesta apenas nas liturgias e nos discursos, deixando incubados os verdadeiros danos relacionados a identidades entre Cristo e a Igreja.

Nossas portas estão abertas, estamos acessíveis e dentro de um contexto além das leis questionáveis. Não perdemos tempo costurando o véu que um dia Cristo rasgou; Jesus, nosso Mestre nunca quebrou doutrina, mas foi o maior “quebrador de protocolos” que já conheci! Em relação o Sábado, ele não aboliu propriamente, entretanto, deixou exalar que o Homem, é infinitamente superior ao Sábado. O Espírito Santo de Atos 15.28, também não aboliu a circuncisão, apenas deixou claro que a Cruz de Cristo não está limitada a um contexto específico e cultural.

Mais uma vez eu digo: Jesus não veio governar a vida de ninguém, sim, Ele veio para ensinar o homem a governar a sua própria vida, por meios de ensinamentos profundos e não de padronização de estatutos e regimentos maliciosos e ideológicos.

Se a sua vida depende de normas e leis ou de algum segmento religioso para viver as doutrinas Bíblicas, você ainda não é convicto, apenas está satisfazendo o capricho de alguém, pois o salvo não vive em função de normas estabelecidas, isso apenas produz medo de punição, as normas e a lei apenas mostram o pecado, nada mais.
Paz.

Em verdade,
PR. Eliélberth Falcão – terça-feira, 1 de setembro de 2009

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*